A alegria pascal: O Amor que move o sol e as estrelas

Depois de passar por estas duas etapas, Dante chega ao Paraíso. Ali, como que em visão beatífica, contempla e fala com os santos, com o próprio Jesus Cristo e com a Virgem Maria. Seu novo guia, São Bernardo, pede pessoalmente à Virgem Maria para que seja dada a Dante a graça de contemplar a Deus.

Ali, no Paraíso, em meio aos santos e a toda a corte celeste, Dante ergue os olhos e contempla aquilo que todo fiel deseja ver: ao próprio Deus. Ao mistério da Trindade – Deus Pai, que tanto nos ama, Seu Filho ressuscitado, e Seu Espírito Santo que tudo move:

“De êxtase assim minha alma toda presa,
Atenta, absorta, imóvel se imergia,
E sempre em contemplar mais’stava acesa.

E essa Luz tal efeito produzia,
Que em deixá-la por ver dif’rente aspecto
Consentir impossível me seria:

Que o Bem sa sua aspiração objeto,
Todo está nela, é tudo lá perfeito,
Como fora de lá tudo é defeto”

 Paraíso, de Dante Alighieri, canto XXXIII, versos 97 a 105. Tradução de Xavier Pinheiro.

Inunda-se de êxtase sua alma, como bem expressa o texto. Que ser humano não estaria em êxtase – na alegria mais plena – ao ver, face a face, ao Deus que tanto lhe ama? Que alegria teremos nós, quando chegar nosso momento de verdadeiramente contemplá-Lo? Se o texto literário expressa um pouco desse júbilo, muito maior será quando chegar o momento de vivê-lo.

Uma alegria sem limites que a arte busca expressar em palavras, imagens, esculturas. E a alegria dos apóstolos não terá sido semelhante ao ver o próprio Jesus, aquele que outrora fora crucificado e morto, agora vivo e glorificado?

O Evangelho pascal nos conta que as mulheres foram ao túmulo, esperando encontrar ali um cadáver para embalsamar, mas o que encontram é a realidade da ressurreição (cf. Lc 24, 1-12). Porque Ele ressuscitou verdadeiramente! E apareceu-lhes muitas vezes depois, ressurreto e oferecendo as mãos e o lado, marcados de amor. Também Maria Madalena vive a alegria de encontrar a Jesus Ressuscitado e ser chamada pelo nome (cf. Jo 20,1-9). É a Ressurreição que encontra a vida humana. 

Que alegria e que júbilo ao VER o Ressuscitado! Ao ver a Páscoa como uma realidade humana e divina, como uma esperança da nossa vida eterna, que também chegará. Já não há mais morte definitiva se buscamos Aquele que é a fonte da vida nova.

A Páscoa em nossas vidas

A experiência da Páscoa para nós, porém, é um pouco diferente. Não estamos em visão beatífica, como imaginou Dante, nem temos a oportunidade de ver ao Senhor claramente, ressurreto em seu corpo glorioso. O que temos, hoje, é visão espiritual. Seu Corpo e Sangue estão velados na Eucaristia. Sua presença em nossas vidas é real, mas por vezes sutil – é necessário um olhar atento para percebê-la.

E assim, algumas vezes, a alegria da Páscoa se perde em preocupações, afazeres, problemas ordinários. Em meio ao caos do mundo, nosso coração pode estar insensível para perceber o Ressuscitado e acolhê-Lo

Pode parecer, ainda, que a alegria pascal deve ser a euforia, o ruído, a comemoração permanente. Mas não, a alegria pascal é uma outra, uma alegria mais profunda e silenciosa, que planta raízes em nosso coração, bem no interior, para depois expressar-se externamente.

Viver a alegria pascal não é viver uma alegria mundana. Não se baseia apenas em festas, comemorações e risadas – embora estas, com temperança, nos façam muito bem. A alegria da Páscoa é a certeza inquestionável de que Ele ressuscitou, e que com Ele ressuscitaremos também nós.

Com Jesus Ressuscitado, já não há mais morte definitiva ou choro que seja em vão. N’Ele tudo se transfigura em eternidade, e cada lágrima converte-se em sorriso, como já bem anunciava o Salmo: “O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã” (cf. Sl 30, 5).

Viver a alegria pascal genuína

Como, então, viver essa alegria diferente de forma genuína? Afinal, a alegria de viver a Páscoa e nela ter nossa esperança não é comum – é algo propriamente cristão. 

O chamado de Deus para viver essa alegria é duplo: de um lado, compreender esse grande mistério e tê-lo muito profundamente em nosso interior, no lugar onde Deus habita (como já dizia Santa Teresa d’Ávila); por outro, deixar que essa alegria genuína e eterna transborde em forma de entrega ao outro, de sacrifício que se oferece gratuitamente assim como o Mestre o fez, confiando na certeza de que a recompensa não está neste mundo.

São Josemaría, em seu livro Sulco, já dizia: 

“A alegria de um homem de Deus, de uma mulher de Deus, há de ser transbordante: serena, contagiosa, cativante; em poucas palavras, há de ser tão sobrenatural, tão pegadiça e tão natural, que arraste outros pelos caminhos cristãos”.

Sulco, n. 61

E assim é: dessa entrega ao outro e dessa consciência interior surge um êxtase talvez muito maior do que aquele narrado por Dante. Um contentamento que brota do coração que ama e se sabe amado pelo “Amor que move o sol e as estrelas”.

Uma certeza de que “nada pode nos separar do amor de Deus” (cf. Rm 8, 38) e de Sua presença ressuscitada.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Posts relacionados