Como as indulgências ajudam as almas do Purgatório?


As almas do Purgatório nada podem fazer por si mesmas, mas você pode ajudá-las!


Talvez você já tenha ouvido falar que todos fazemos parte de um mesmo Corpo Místico, a Santa Igreja de Cristo.


E, dentro dela, estamos distribuídos em 3 grupos:


  • a Igreja triunfante, que compreende todos os que já alcançaram a Glória e contemplam a face de Deus no Céu;
  • a Igreja militante, que somos nós, ainda neste mundo buscando a santidade; e
  • a Igreja padecente, que são as almas que já partiram e estão salvas, mas precisam passar por um período de purificação antes de chegarem ao Céu.  Essa purificação ocorre no Purgatório.


Isso porque, através da confissão, o pecado é perdoado (ou seja, a amizade com Deus é restabelecida) e a pessoa absolvida fica livre do inferno. 


Mas a marca gerada pelas consequências do pecado cometido não é anulada.


Por exemplo, ao confessar uma mentira de matéria grave, a pessoa será perdoada, mas também precisará reparar o erro junto aos envolvidos. Caso contrário, contrairá uma dívida.


 Essa dívida é chamada de pena temporal e, caso a pessoa não consiga quitá-la ainda em vida, terá que passar pelo purgatório para isso.


E as almas que estão lá são chamadas padecentes porque, depois da morte, já não podem fazer mais nada para diminuir a duração da própria pena.

Elas dependem totalmente das pessoas que ainda vivem neste mundo e podem, através dos Sacramentos, transferir a remissão recebida em confissão para os já falecidos.


A essa prática damos o nome de indulgência, um grande tesouro que a Igreja entrega aos fiéis. E são algumas as ocasiões do ano litúrgico que nos permitem recebê-las.


Uma delas é a solenidade de todos os fiéis defuntos, que celebramos hoje.


Por isso, separamos aqui neste post tudo o que você precisa saber e fazer para bem viver este momento oportuno.


Primeiro, é necessário saber que existem dois tipos de indulgências: a parcial e a plenária.


A primeira, como o nome já sugere, apaga apenas uma parte da pena temporal de quem a recebe. E a indulgência plenária redime totalmente a pena que o fiel teria que cumprir.


E, para que possamos ganhá-las, precisamos cumprir alguns requisitos:

  1. Procurar o Sacramento da confissão;
  2. Participar da Santa Missa e comungar; e
  3. Rezar nas intenções do Santo Padre.


A visita ao cemitério não é obrigatória, mas é considerada uma prática piedosa por conta da data litúrgica. Nesse caso, não precisa ser onde está sepultada a pessoa para quem se deseja ofertar a indulgência. 


Sobre os requisitos, ainda, é importante observar algumas questões: 


Esses passos não precisam ser todos cumpridos no dia da solenidade. 


A Igreja permite que se busque as indulgências entre 1º e 8 de novembro (por ocasião do dia de finados) e se obtenha uma indulgência plenária por dia durante esse período. 


Além disso, não é necessário buscar a confissão todos os dias —  desde que se mantenha o estado de Graça — mas as demais condições são obrigatórias. 


Nós, membros da Igreja militante, somos os únicos que podem auxiliar as almas do Purgatório que clamam por ajuda.


E, se temos acesso a todos os meios necessários para quitar as suas dívidas através das indulgências, por que não nos esforçarmos para pagá-las?

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Posts relacionados

Os Mártires do Sagrado Coração

No mês de abril de 1794, sete insurrectos foram condenados à morte porque, ao serem detidos, traziam consigo estampas do Sagrado Coração. Era o suficiente